Somos especialistas na importação e distribuição de equipamentos e peças de reposição de fabricantes globais. Televendas +55 47 3081 4822

Usuário

  • Minha Conta

Dúvidas?

Contate-nos +55 47 3081 4822

Social

O biogás para a Alemanha cortar laços com a Rússia

1149076f35ce3e494d2fc241e0118f9d

Confira a Matéria Orginal publicada por ESTADO DE MINAS clicando aqui.

 

Após anos de estagnação e questionamentos sobre seu impacto ambiental, o setor de biogás da Alemanha volta a chamar a atenção em meio aos esforços de Berlim para reduzir sua dependência energética de Moscou por causa da guerra na Ucrânia.

A uma hora de carro a oeste de Berlim, a fazenda de Peter Kaim é dominada pelo forte odor que emana de três longas esferas colocadas no meio de um campo lamacento compartilhado com 100 vacas.

Todos os dias, toneladas de resíduos orgânicos – principalmente esterco, milho e grama – são despejados nesses recipientes. Em um processo chamado “metanização” alimentado por bactérias, essa matéria orgânica se transforma em gás.

A pequena usina aquece cerca de 20 casas na vila de Ribbeck, conhecida por uma pereira elogiada pelo escritor alemão Theodor Fontane em um poema clássico do século XIX.

Tudo “vem 100% da nossa fazenda”, diz Kaim, orgulhoso de ter uma produção energética “independente” em meio à guerra na Ucrânia que elevou os preços.

O agricultor pede às autoridades regionais que “adotem procedimentos de autorização mais simples” para ajudar o biogás a se tornar um participante maior no mix energético da Alemanha.

Assim como Kaim, todo esse setor vê a crise atual como uma oportunidade, que levou Berlim a reduzir sua dependência da Rússia, da qual importava 55% de seu gás natural, metade de seu carvão e 35% de seu petróleo.

Em um sinal de que a mensagem estava chegando, o governo alemão anunciou na semana passada seu desejo de “aumentar a produção de gás ‘verde'” como parte de sua estratégia para construir mais resiliência diante do aumento dos preços da energia.

– do Nord Stream –

Por enquanto, o biogás representa apenas 1% do consumo na principal economia europeia. Mas “poderíamos aumentar imediatamente nossa produção em 20% e substituir 5% do gás russo se algumas barreiras regulatórias fossem levantadas amanhã”, diz à AFP Horst Seide, presidente da federação de produtores de biogás alemães.

Segundo ele, um esforço coordenado de promoção do setor permitiria a longo prazo “produzir dois terços da capacidade do Nord Stream 2”, o polêmico projeto de gasoduto entre a Rússia e a Alemanha que Berlim suspendeu no início da invasão da Ucrânia em fevereiro.

A história do biogás na Alemanha tem décadas. No início dos anos 2000, o país optou por este setor e tornou-se líder europeu. Ainda hoje, metade dos metanizadores do continente estão neste país.

Mas no início de 2014, o governo alemão deu uma guinada e decidiu cortar a capacidade de produção da indústria com um complexo sistema de subsídios.

A principal objeção era a industrialização massiva do setor, que representava um grande problema ambiental devido ao risco de contaminação das águas e vazamentos de gases poluentes.

Alegaram também que as terras usadas para agricultura e pecuária estavam sendo tomadas para produção de energia.

De acordo com o ministério da Agricultura, 14% das terras agrícolas da Alemanha já são usadas para geração de energia.

A abertura de novas instalações despencou: de 1.526 em 2013 para 94 em 2014, logo após a mudança regulatória. Em 2021, apenas 60 foram registradas.

– “Insegurança alimentar” –

O setor garante que aprendeu com seus erros e quer fazer parte da solução para se desconectar do gás russo, mas pede uma flexibilização da regulamentação.

No entanto, alguns especialistas são céticos.

“Em um futuro contexto de insegurança alimentar devido à guerra na Ucrânia, é difícil defender um aumento na produção de biogás usando o modelo atual”, comenta à AFP Michael Sterner, pesquisador de energia da Universidade de Regensburg.

A expansão da produção pode ser feita de forma “descentralizada”, usando pequenas instalações e “matérias-primas sustentáveis”, diz Ingo Baumstark, porta-voz da federação dos industriais.

O setor explica que quer abandonar a monocultura do milho dedicada exclusivamente à produção de energia para focar nos resíduos e sobras da produção agrícola.

Mas esse modelo, melhor do ponto de vista ambiental, exige uma operação logística colossal, pois atualmente 80% da matéria orgânica utilizada no setor vem de plantas cultivadas exclusivamente para esse fim, segundo a Agência Alemã do Meio Ambiente.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

SMART SUPPLY BRASIL
Edifício Evolution Corporate
Rua Miguel Matte 687, Sala 2102
Balneário Camboriú, SC – Brasil
CEP : 88331-030
+55 (47) 3081-4822
[email protected]

SMART SUPPLY EUROPE
Abreu Logistics
Quinta da Marquesa IV, POLO 6, Quinta do Anjo, Setúbal – Portugal
Postal Code: 2950-557
[email protected]

ASSOCIADO

CERTIFICAÇÃO

SAP

SMART SUPPLY BRASIL
Edifício Evolution Corporate
Rua Miguel Matte 687, Sala 2102
Balneário Camboriú, SC – Brasil
CEP : 88331-030
+55 (47) 3081-4822
[email protected]

SMART SUPPLY EUROPE
Abreu Logistics
Quinta da Marquesa IV, POLO 6, Quinta do Anjo, Setúbal – Portugal
Postal Code: 2950-557
[email protected]

ASSOCIADO

CERTIFICAÇÃO

© Smart Supply 2022

Home
Produtos
Buscar
Contato

Get $10 for every friend you refer

Being your friend has perks. Hook yours up with $10 off & get $10 off after their first purchase.